Marta Nebot aprecia a ‘BuenaVida’

MartaNebot_850

Este verão, a Buena Vida chega à Cadena Ser. Trata-se de um projeto que nasce da colaboração entre a emissora e a revista Buena Vida do El País e chega-nos pela mão da jornalista e atriz Marta Nebot, que, juntamente com a diretora da BuenaVida_01revista, Marta de Valle, nos traz sem pruridos os temas que dizem respeito à arte de bem viver. No programa, encontraremos análises, entrevistas, inquéritos, peças de ficção, provocações e tudo o que tenha a ver com nutrição, gastronomia, saúde, beleza, desporto, viagens e cultura. Tudo abordado do ponto de vista divertido, provocador e, ocasionalmente, profundo de Marta Nebot, que entrevistámos para falar sobre o programa.

P.- O que pensou quando lhe disseram que ia passar o verão a dedicar-se à Buena Vida? E o que significa para si a boa vida?

Fiquei radiante. Há muito tempo que tinha vontade de ter um projeto próprio que me permitisse inventar algo e a rádio é o espaço perfeito. Desde o princípio que senti que me tinham dado uma tela em branco e uma enorme caixa de canetas de feltro. Além disso, achei o tema promissor mesmo antes de estudar bem a revista Buena Vida, do El País.

Para mim, a boa vida é dedicar-me ao que gosto e também ter tempo para cuidar de mim e dos meus. Nem sempre consigo conjugar as duas coisas, mas tento, e este programa está a ensinar-me um monte de coisas sobre como fazer isso melhor.

P.- Marta del Valle, diretora da revista Buena Vida, é a responsável no programa por dar conselhos e recomendações para viver melhor. Quanto a esse respeito, como se consegue transladar uma revista como a Buena Vida para a rádio? E, por outro lado, acredita realmente que é possível colocar em prática todas as teorias que nos transmitem?

A ideia sempre foi inventar algo. Com base nos especialistas, nos grandes profissionais que fazem a revista, criar um formato radiofónico que tratasse os temas de sempre de uma forma nova, como faz a revista. Era e continua a ser um desafio. Para tal, o primeiro passo foi procurar um ponto de vista que me parecesse claro. Eu não sei nada ou quase nada sobre a boa vida; ou seja, sobre comer bem, sobre gastronomia, fazer desporto com regularidade, viagens, psicologia, etc. Por isso, pensei que seria interessante abordar os temas a partir da mais pura ignorância. O resto foi e é deixar a imaginação voar e arriscar.

Acredito que é fácil passar da teoria à prática. Mas a melhor maneira de tirar as teimas é ouvir o programa em direto aos sábados, das 19h00 às 20h00 (hora espanhola), ou no podcast, sempre que quisermos. Ora aí está!

BuenaVida_02P.- Vejamos os seus conhecimentos sobre o tema da boa vida. Quantos batidos detox tenho de beber para equivaler a duas horas de corrida? É mais saudável dormir uma sesta de duas horas ou 20 minutos de sexo? O que é mais saudável, a marmita que a sua mãe preparou ou o menu de degustação de um restaurante com estrelas Michelin? E, por último, o que temos de fazer para ter a certeza de que estamos a “cuidar de nós” adequadamente?

Ufa, não consigo responder a nada disso. Ainda só fiz dois programas.

Quanto a isso de “ter a certeza”, só sei que a “certeza” está morta e que a imensa maioria se limita a fazer o que pode.

P.- O vosso programa não tem secções estanques predefinidas e pretende surpreender o ouvinte todos os sábados. Que tipo de surpresas vamos encontrar se ouvirmos Buena Vida este verão? Pode dizer-nos se vão convidar alguma figura de relevo?

Por exemplo, posso revelar que a rua estará muito presente de todas as maneiras possíveis. Tanto com transeuntes a dar a sua opinião como a provar e experimentar coisas. Os duelos de especialistas vão dar que falar. Haverá elementos de ficção vários que introduzirão muitos assuntos. A apresentadora, ou seja, eu, experimentará tudo aquilo de que falar e, assim, descobriremos muitas formas diferentes de viver bem. E posso dar-vos alguns nomes: Carles Francino, María Galiana, Emilio Gutiérrez Caba, Joaquín Prat…

P.- O que é mais fácil e mais saudável, dar uma boa vida ao corpo ou à mente? Qual é o seu ingrediente de eleição que utiliza para cada um deles?

As duas coisas estão interligadas. Cuidar do corpo é cuidar da mente e vice-versa. Quando era mais nova, corria para manter a linha; agora, corro porque me ajuda a controlar o stress e me deixa bem-disposta. Mas não corro muito! Meia horinha duas ou três vezes por semana. Mas, se puder, não me escapo. No que diz respeito à alimentação, estou a tentar seguir o livro de Ángela Quintas, Adelgazar Para Siempre, em versão manutenção. Aprendi muito com essa entrevista. E outra coisa que me parece curiosa e que faço para me manter sã é pensar. Sim, precisamente isso. Pode parecer que estou a gozar, mas não estou. Há pouco tempo, decidi desligar a rádio, a televisão, o computador, o telefone e tudo o resto em algum momento do dia para tentar criar o tempo necessário para analisar, para decidir, para descobrir as conclusões a que chego, para deixar de ouvir o mundo durante um instante para me ouvir e tentar perceber o que estou a fazer e o que quero.

W

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
LaTVqueviene_850
A televisão que aí vem

A televisão continua a ser o meio de comunicação social mais consumido do mundo, com uma média por pessoa de...

Cerrar