Aqueles maravilhosos buscadores

17032012
Visto 5.224 veces

Os buscadores são as melhores ferramentas que temos para enfrentar a enorme quantidade de dados que a Internet contém. De facto, tornaram-se imprescindíveis na forma como acedemos diariamente à rede.

Mas, como em tudo na vida, os buscadores também foram evoluindo ao longo da sua história relativamente breve. Navegar nos anos 90 não era como navegar agora. Propomos-lhe um passeio pela história destes companheiros inseparáveis da navegação na Internet.

Imagem do Wandex de 1993

O primeiro buscador na Internet apareceu no ano de 1993 e chamava-se Wandex. Basicamente, era um índice feito pela World Wide Web Wanderer e apoiado num robot. Nesse mesmo ano, apareceu um sistema semelhante, o Aliweb, que ainda está em funcionamento e graças ao qual podemos apreciar esse sistema de busca primitivo.

O primeiro motor de busca de texto completo fez a sua aparição um ano depois e era o WebCrawler, que já permitia aos seus usuários fazer uma busca por palavras em qualquer página de Internet, chegando a ser um critério para a grande maioria dos buscadores. O Lycos, que apareceu posteriormente, também foi pioneiro neste sentido e alcançou uma grande popularidade graças ao seu algoritmo baseado na proximidade entre as palavras.

Aspecto inicial do buscador Lycos

A partir desse momento, começou a desenvolver-se uma grande variedade de buscadores, como o Excite, lançado em 1995 e que introduziu o que viria a ser a futura chave das buscas, um algoritmo capaz de relacionar palavras segundo estatísticas de sinonímia, de tal forma que obtinha resultados de páginas nas quais não se encontrava exatamente a palavra que o usuário procurava.

O Altavista foi outro dos buscadores de relevo da época, com melhorias importantes como uma largura de banda quase ilimitada, a possibilidade de fazer consultas na língua nativa e consultas avançadas mediante operadores boolianos (AND, OR, NO) e buscas de imagens e arquivos multimédia. Outros motores de busca que apareceram nessa altura, com características semelhantes e até algumas inovadoras, foram o Infoseek, o Inktomi e o Northern Light.

O buscador Altavista em finais dos anos 90

Também havia portais populares dedicados fundamentalmente ao entretenimento, como o MSN Search da Microsoft e o Yahoo!, que acrescentaram à sua estrutura barras de busca para se integrarem da melhor forma possível nas novas tendências da Internet, ampliando assim os seus serviços (e-mail, chats, fóruns, imagens, notícias) e transformando-se em sítios que continham em si mesmos tudo o que um novo conceito de usuário poderia pedir à Internet. Em Espanha, destacamos os casos do Terra, Ya.com e do Ozú.

Contemporâneos de todos estes motores são os primeiros metabuscadores, cuja função era juntar os resultados de vários motores de busca para oferecer os seus resultados todos misturados. Em última análise, eram buscadores dentro dos buscadores. O primeiro de todos foi o MetaCrawler, que dava resultados provenientes do Lycos, do Altavista, do Yahoo!, do Excite, do Webcrawler e do Infoseek.

Primeira versão do Google, de 1998, ainda em versão beta

Em 1998, começa a grande mudança no universo dos buscadores. O Googleaparece em cena e, através de um conceito novo, calculava a importância de uma página com base nas visitas que recebia. A partir daqui, começa a sua ascensão aos primeiros lugares das audiências da Internet, até que se tornou a página mais visitada do mundo. Tudo isto se deve à investigação contínua por parte da sua equipa, e ao facto de ir acrescentando com regularidade novas tecnologias, serviços e outras características que permitem ao usuário fazer uma busca avançada e personalizada.

Apesar de a posição ocupada atualmente pelo Google parecer inalterável, continuam a aparecer novas propostas de buscadores que pretendem roubar pelo menos parte dos usuários do rei dos buscadores. Propostas como o Bing (que pertence à Microsoft) ou o Ask.com tornam mais fácil para o usuário escolher a ferramenta que mais se adequa à sua forma de navegar na rede.

Infográfico: História da busca digital

A entrada de novos dispositivos no mercado fez com que tenham aparecido versões de buscadores para celulares inteligentes (smartphone) e para tablets, que assim se adaptam às necessidades dos usuários e às novas tendências, demonstrando que os usuários os exigem e precisam deles, seja qual for o ecrã em que os utilizam.

Miguel Ángel Corcobado
Análisis e Investigación
PRISA Digital

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
Um museu sobre si

A Intel criou um projeto que nos permite transformar o nosso perfil do Facebook num museu virtual. Se lhe apetece...

Cerrar