Como funciona a relação entre as marcas e os ‘influencers’

influencers
Visto 6.664 veces

A promoção de conteúdos é a principal mais-valia que as marcas procuram quando decidem colaborar com um influencer. Pelo menos, é a opinião expressa por 67% dos mais de 600 profissionais da comunicação e do marketing que participaram no II Estudo sobre o estado das relações com os influencers, elaborado pela Augure a partir de inquéritos realizados em 30 setores de atividade diferentes de 32 países.

A seguir a esta prioridade, outras das situações estratégicas em que se trabalha com pessoas influentes são o lançamento de produtos e a criação de conteúdos, tendo ambas as opções sido apontada por 59% dos inquiridos, seguindo-se a organização de eventos (45%) e ações de comunicação corporativa (32%), SEO (23%) e gestão de crises (14%).

Situaciones-report-augure-686x531Segundo o mesmo estudo, o Twitter consolida-se como o principal meio para desenvolver as campanhas com influencers. E não é por acaso, pois 68% dos entrevistados considera que esta rede social é um veículo fundamental para este tipo de ações. Os blogues mantêm a sua relevância e situam-se na segunda posição para 54% dos profissionais, seguidos do Facebook, que é considerado relevante para 51% dos inquiridos (em comparação com os 29% de 2014).

O Instagram fica na quinta posição (24%). Apesar do forte crescimento deste canal, parece que as redes sociais “visuais” continuam a ser pouco utilizadas nas campanhas com influencers. De facto, o Pinterest e o Vine ocupam os últimos lugares, com 3% e 1%, respetivamente.

Igualmente surpreendente é a posição do LinkedIn, cuja estratégia está muito orientada para realçar o valor dos influenciadores, uma vez que apenas 20% dos inquiridos indica que utiliza este canal para se relacionar com eles.

Canales-report-augure-686x354

Outras das conclusões deste estudo são as seguintes:

  • De acordo com 55% dos profissionais da comunicação, a principal motivação de um influencer no momento de trabalhar com as marcas é ampliar a sua comunidade. A criação de conteúdos de qualidade para o público continua a ser um critério relevante (45%), seguido mais de longe pelo reforço da marca pessoal (29%), a obtenção de vantagens (25%), a remuneração (24%) e a vivência de experiências especiais (22%).
  • Perante a crescente importância dos influencers nas estratégias das marcas, impõe-se a necessidade de repensar o modelo económico que se lhes associa. Cerca de 70% dos inquiridos crê que não é necessário pagar-lhes. Na prática, 9% assegura que remunera sempre estes colaboradores, ao passo que 33% afirma que nunca o faz (36% fá-lo “muito de vez em quando” e 22% “frequentemente”).
  • Os responsáveis de relações públicas são quem gere os relacionamentos com os influencers. Ainda que nenhum perfil se destaque claramente por unanimidade em relação ao resto, o responsável de relações públicas demarca-se: para 28% dos inquiridos, deve ser este o profissional encarregado das campanhas a nível do relacionamento com os influencers. Em segundo lugar, encontramos dois perfis com 17% cada um: o community manager e o diretor geral (CEO). Este último situa-se inclusivamente à frente do responsável de marketing digital (11%).

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
Uma frenética vida digital

Todos os dias, são vistos no YouTube mais de 4.000 milhões de vídeos. E, no decurso dessas mesmas 24 horas,...

Cerrar