É transmedia ou não é?

Retro Media icons

 

España en Serie é uma recordação da ficção espanhola dos últimos anos. Dá-nos uma idéia de como a sociedade mudou dos anos 70 até hoje. E também a televisão.

Mas o que mais mudou nesse tempo foi o espectador, que agora no CANAL+ chamamos de usuário. Para nós, deixou de ser um cara (nunca foi uma senhora de Cuenca) que está sentado no seu sofá. Agora é um cara com uma smartphone ou um tablet na mão. E quer participar na festa.

Por isso, a joia da coroa do lançamento de España En Serie é um jogo que criamos em formato webapp, que pode experimentar aquí.

A última discussão no departamento é se o jogo que criamos é um projeto transmedia puro. Como tal, vamos analisar quais são as chaves para que um projeto transmedia chegue a bom porto. Vamos ver se cumprimos ou não.

Para obter uma perspectiva, pedimos ajuda a Belén Santa Olalla. Ela trabalha na Transmedia StoryTeller, uma das mais importantes agências de transmedia do mundo. Para além disso, vamos utilizar a apresentação que Ingrid Kopp, diretora de Iniciativas Digitais do Tribeca Film Institute, realizou para a X Media Lab Conference na Suíça e que encontramos neste artigo de IndieWire.

• Os pontos de partida do projeto transmedia

Segundo Belén Santa Olalla, para se iniciar um projeto transmedia é precisa “uma vontade clara de fazer algo participativo com o público, que gere experiências personalizadas e que possa chegar ao nosso espectador por vários caminhos”.

Nos parecia que era o produto de produção própria mais importante do ano, tínhamos conteúdo exclusivo extra nosso e podíamos apresentar uma comunicação mais abrangente. Se o fizemos com “Guerra dos Tronos”, não tínhamos como não o fazer com ‘España en Serie’!”. Cristina Pablos, desenvolvimento de “España en serie: El Juego”.

O público vem primeiro
Belén: “: “É necessário analisar claramente a quem nos dirigimos, quais são os seus hábitos e gostos, porque a nossa proposta se adaptará à sua vida, mais do que eles ao nosso produto”.

Fomos muito bem acolhidos pela comunidade ‘seriéfila’ com El Rey de las Series do Festival de Séries, que é um jogo de perguntas e respostas em direto sobre séries que emitimos. Toda essa gente, para além de ver ‘Guerra dos Tronos’ ou ‘Breaking Bad’, também já viu séries espanholas como ‘Cuéntame’ ou ‘ Farmacia de Guardia’”.  Cristina Pablos, desenvolvimento de “España en serie: El Juego”.

• Colaborar é hard!
Produção, Documentação, Autopromoção, Comunicação, Concepção, Desenvolvimento, Estúdios… O nosso jogo é fruto do trabalho de muitos colegas. Um trabalho difícil em que ninguém deve impor a sua opinião aos outros e em que a paciência é a melhor arma.

Os redatores do programa nos passam os seus guiões, nós redigimos as provas e pesquisamos o material. A produção nos passa o material exclusivo que ficou fora do programa. O desenhador desenha e o programador apresenta como deve funcionar. Tudo de forma coordenada e treinada, é como uma locomotiva. Até que salte algum parafuso!”

• Há que investir
“As empresas procuram chegar a um público cada vez mais automatizado e segmentado, pelo que têm que gerar experiências adaptadas a esses públicos que já não se movem em massa, mas que respondem a vontades totalmente individuais”, assinala Belén Santa Olalla.

“Um Fantasy NBA+ para os loucos de #dormiresdecobardes e uma webappp sobre España En Serie. Um passo mais além para o Social Futbol e uma surpresa para a nova temporada de “Guerra dos Tronos”. A roda “transmedia” começou girando com força no CANAL+…”

• Fail Fast Forward
Aprender a falhar, se levantar e continuar. Ingrid Kopp cita Becket e nós também: “Ever tried. Ever failed. No matter. Try Again. Fail again. Fail better”.

No ano passado montamos uma NBA Fantasy League e arrasou, em seguimento e usuários. Também publicamos o Social Futbol, mas não teve o acolhimento que esperávamos. E depois chegou Vive Poniente, um mapa interativo de “Guerra dos Tronos” que nos deu problemas no arranque. Mas ainda aqui estamos!”

• Be fan my friend
A experiência de fã para fã gera uma comunidade. E como diz Belén, “o que estas empresas procuram é gerar um engagement poderoso, que faça os espectadores sentirem os conteúdos como seus, já que são colocados no centros destas experiências imersivas. Desta forma, dando-lhe liberdade e personalização, se fideliza o espectador, que deixa de o ser para se tornar um fã”.

Em “Guerra dos Tronos”, montamos uma comunidade de quase 150 mil pessoas nas redes sociais, montando experiências ‘transmedia’ como o Grito de Guerra ou o mapa interativo do ano passado. Na NBA temos quase 100.000 pessoas sem dormir todas as noites, com a Fantasy como grande presente desde o ano passado. Mais de 8000 aguardam o Festival de Séries que celebramos anualmente, com o Rey de las Series como cereja no topo do bolo. Conhecemos o efeito fã, e um dos nossos objetivos é que os nossos usuários passem para o lado negro

• Nunca se esqueça de
Belén afirma que são duas coisas: Ter uma premissa clara e falar diretamente para a nossa comunidade.

A nossa premissa é oferecer ao nosso usuário mais uma alegria, para que continue aceitando o nosso recibo no seu banco por mais um mês. E acreditamos que, temporada após temporada, passamos a conhecer os nossos ‘seriéfilos’.”

AAgora é a sua vez de começar a jogar e nos contar se acha que cumprimos ou não com o projeto transmedia puro…

Cristina Merino
Comunicação Transmedia da PRISA TV

 

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
business dog on the phone
As 10 melhores aplicações para animais

Os amantes dos animais domésticos, graças a todas as aplicações que surgiram para smartphones, viram facilitada a tarefa de cuidar...

Cerrar