FlipClass, a proposta ‘flipped classroom’ da Santillana

educational concept

São cada vez mais os docentes que apostam na Flipped Classroom, devido aos bons resultados que este modelo pedagógico está obtendo no contexto das diferentes experiências em que foi posto em prática.

Este método caracteriza-se pela adaptação de alguns dos principais processos de aprendizagem fora da sala de aula com o intuito de potenciar durante o tempo da aula outros aspetos mais práticos para a aquisição de conhecimentos. Portanto, este modelo centra-se muito mais no aluno, que fica ao leme do processo de aprendizagem, uma vez que certas atividades, como as explicações e alguns exercícios de caráter mecânico, são transferidas para fora da sala de aula, de modo a que o tempo da aula seja aplicado na aquisição de capacidades e na resolução de questões que facilitam a compreensão dos conceitos vistos em casa.

O termo Flipped Classroom foi cunhado por Johathan Bergmann e Aaron Sams, dois docentes de Química do Instituto Woodland Park, do Colorado, que se deram conta de que alguns dos seus alunos faltavam frequentemente às suas aulas por diferentes motivos e, depois, era necessário ajudá-los a ficar atualizados. Para esse efeito, lembraram-se de gravar e distribuir vídeos em que se incluíam as explicações de conceitos que esses alunos perdiam. Imediatamente, deram-se conta de que este modelo lhes permitia dedicar mais tempo a resolver as atividades juntamente com os alunos e a prestar mais atenção às suas necessidades individuais de aprendizagem.

A aplicação desta metodologia permite ao professor dedicar as horas de aula ao trabalho direto com os alunos, orientando-os de modo a que apliquem os conhecimentos adquiridos na resolução de atividades, enquanto reserva para o lar os processos que o aluno pode realizar de forma autônoma, como ler um livro, assistir às explicações em vídeo ou consultar a Internet ou a bibliografia para ampliar conhecimentos. Este fator faz com que não seja o professor a pedir a atenção do aluno, mas que seja o próprio estudante a pedir ao professor que o ajude a resolver as suas dúvidas e os exercícios que não compreende.

Existem vários estudos que reforçam o valor desta metodologia, indicando os resultados qualitativos e quantitativos positivos que está alcançando dentro do contexto escolar e universitário. A maior parte ressalta a eficácia do modelo ao conseguir que os alunos se envolvam mais na aprendizagem. Muitos dos professores que colocam em prática esta metodologia, contam entusiasmados os seus feitos, destacando que se promove a participação e a interação na sala de aula. Alguns educadores destacam quatro elementos fundamentais deste modelo FLIP, acrônimo de Flexible environment, Learning culture, Intentional content e Professional educators.

  1. Ambiente flexível (Flexible environment). Os alunos escolhem quando e onde aprendem.
  2. Cultura de aprendizagem (Learning culture). Os alunos participam ativamente na aquisição de conhecimento. O tempo da aula é utilizado para explorar os temas com mais profundidade, responder a dúvidas e realizar atividades juntamente com os colegas e o professor.
  3. Conteúdo intencional (Intentional content). Os docentes avaliam o que vão precisar para ensinar e os materiais que os alunos devem explorar por sua conta.
  4. Educadores profissionais (Professional educators). Os professores observam os seus alunos de forma continuada, dando resposta à procura de informação que surge a cada momento. Isto faz com que os docentes reflitam sobre a sua prática e sejam mais flexíveis em relação a novas dinâmicas de aula que surjam a cada momento.

Estes resultados não passaram despercebidos à Santillana, que realizou uma profunda análise desta inovadora metodologia com o propósito de definir um modelo pedagógico e um produto editorial baseado no conceito da Flipped Classroom. O resultado deste processo foi batizado com o nome FlipClass e já foi avaliado por 11 docentes e mais de 200 alunos através de um projeto-piloto colocado em marcha na rede social de professores Inevery CREA.

Desta experiência foram retiradas valiosas conclusões no que diz respeito a possíveis melhorias e ao desenvolvimento de mais conteúdos dentro deste formato. Tanto os docentes como os alunos implicados avaliaram a metodologia e os materiais entregues e destacaram tanto as vantagens que se oferece aos professores para trabalhar a diversidade dentro da sala de aula como a sua aplicação de forma complementar ao modelo tradicional.

Concretamente, para o projeto-piloto do FlipClass, foram concebidos materiais adaptados a esta metodologia com o intuito de facilitar recursos, tanto a docentes como a alunos, de modo a tornar mais simples a implementação deste modelo educativo.

flippclasspt Um dos recursos de maior destaque é um portal de Internet onde estão alojados os vídeos explicativos, cuja estrutura está organizada de forma sincronizada com os outros materiais e com a ordem em que, regra geral, os professores lecionam a matéria.

educational concept

Porém, o recurso estrela do FlipClass são, sem dúvida, os vídeos. Para produzi-los, aplicou-se uma técnica inovadora que provoca um efeito espelho em que o que se escreve fica invertido na imagem, de modo a que o usuário possa lê-lo e, simultaneamente, ver o professor. Os protagonistas dos vídeos são diferentes docentes especializados em cada um dos conceitos que são explicados. No final de cada peça, incluiu-se algo a que chamamos “cábula”, onde aparece o que o professor escreveu, por fases, com a intenção de reforçar a compreensão do conteúdo a que os alunos acabaram de assistir. Foram incluídos alguns takes falhados dentro de cada exposição com o objetivo de tornar a figura destes docentes mais próxima dos alunos.

educational concept

Também se adaptaram os materiais impressos a este modelo, transformando o conceito de livro de texto que habitualmente se usa num caderno de atividades onde apenas aparece o conteúdo teórico que ultrapassa os resumos que abrem cada tema para ajudar o aluno a situar-se. Além disso, dentro dos conteúdos de cada tema, faz-se referência ao momento em que cada vídeo deve ser visto dentro de cada uma das sequências de atividades que são propostas.

flip5

Foram feitas duas versões deste tipo de cadernos: uma comum para os alunos e outra com conteúdos ampliados para os professores. Dentro desta última versão, são facultados conteúdos extra associados a cada uma das páginas dos cadernos dos alunos: exercícios resolvidos, indicações didáticas, recomendações metodológicas, ampliação de conteúdo…

Para finalizar, apostou-se em conceber um produto dentro desta linha para o consumo dos conteúdos a partir de dispositivos móveis. Para tal, foi criada uma aplicação, com versões para iOS e para Android, que contém uma livraria de onde se pode baixar tanto os cadernos dos alunos como os dos professores. É também possível rever os conteúdos a partir de um visor que permite reproduzir os vídeos a partir do caderno, sem necessidade de estar conectado à página de Internet.

Esta versão móvel é muito importante dentro do âmbito do projeto, uma vez que facilita aos usuários o acesso aos conteúdos e aos vídeos praticamente desde qualquer lugar, de forma imediata e autônoma, o que é uma das máximas por que este modelo se rege.

Metodologias como a Flipped Classroom e iniciativas como o FlipClass são, sem dúvida, uma boa notícia para a educação, demonstrando a vontade de alguns docentes e, claro está, da Santillana em se adaptar aos novos tempos e a novos modelos que facilitem a aprendizagem nas aulas do século XXI.

David García
Jefe de proyectos de Movilidad en Santillana Negocios Digitales

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
fotos_Antiguas
Os melhores bancos de imagens históricas e gratuitas

Tal como mencionamos no post 5 buscadores imprescindíveis de imagens livres e gratuitas, no momento de obter imagens gratuitas na...

Cerrar