Falar de audiências na Internet e não ficar por aí (II)

Vague de solidarité

Vamos continuar falando do índice de audiência e como medi-los. No post anterior finalizamos mencionando as ferramentas com base em dois tipos de metodologias: painel e questionários. Vamos começar com a última e fazer algumas perguntas. Se perguntassem na rua ou por telefone que páginas da internet vocês acessaram no último mês, o que responderiam? E se perguntassem pelo consumo do celular e se são com aplicativos nativos iPhone ou páginas web para o celular ou acessos à página web clássica? Eu não sei vocês, mas eu não acreditaria em nada desta medição, se estamos falando de índice de audiência. Vamos para o item que tínhamos pulado, o primeiro, o painel. O painel nada mais é do que selecionar umas 20 ou 30 mil pessoas na Espanha (por exemplo) e instalar um programa (outra vez com a ajuda da tecnologia) no seu computador de casa ou do trabalho para reconhecer toda a sua atividade na internet (já não estamos falando do que se lembram ou do que acessaram, mas sim o que o programa reconhece o que realmente foi acessado). Até aqui, tudo bem. No entanto, só temos o comportamento de alguns e precisamos fazer uma estimativa do que fazem todos os outros, tendo como base só aqueles. Depois de tantos anos dedicados ao estudo da Estatística, é muito doloroso dizer isso, mas estimativa e certeza são conceitos muito distantes. Mesmo assim, é importante lembrar como é feita a medição da audiência na TV e no Rádio. E o mais importante, com quantas pessoas e que metodologia é usada? A internet, neste sentido, é um privilegiado por número de amostras. Outra coisa é como estão definidas as amostras e a dispersão no setor da mídia. Não é que as estimativas sejam o problema do painel, este handicap é fácil de assumir. O problema é que a amostra selecionada para o Painel é somente espanhola (neste caso, não falamos da América Latina) e a internet é global. O que acontece com os acessos a partir de outros países? Outro problema é que a amostra selecionada para o painel é somente de casa e do trabalho (para complicar a situação, não é nada agradável para as empresas instalar softwares espiões nos equipamentos de seus funcionários gerando um painel de trabalho subestimado) e acabam ficando fora acessos muito comuns como celular, cybers, universidade, telefones públicos, etc. Bom, depois dessa reflexão, é normal que ninguém acredite em nada. É preciso conhecer muito bem como funcionam as ferramentas para medir na internet, para saber se falamos de usuários únicos ou de cookies e tudo o que se deixa pelo caminho. Por isso é tão importante para a internet que se trabalhe o consenso para encontrar um instrumento único para medir na internet. Isso serve de ajuda para o lançamento definitivo da renda gerada pela publicidade. Resumindo, é necessário, pelo menos agora, de uma moeda única em que todos as webs sejam medidas com as mesmas regras e métricas. Outra coisa é que o que vai acontecer mais tarde no setor, onde a vida das moedas únicas parece complicada, embora esta seja uma visão muito pessoal que podemos falar outro dia. Atualmente é nisso em que o mercado está trabalhando: na moeda única! Há quase dois anos que nos Estados Unidos funciona um sistema chamado “Hibrido” que trata, através da combinação da metodologia do censo e do painel, resolver os problemas que cada uma delas tem separadamente e poder contribuir, finalmente, um dado único de audiência confiável e padronizado para todo o mercado. Em 2012, parece que na Espanha teremos o primeiro sistema consensual no mercado e poderemos finalmente falar de uma fonte oficial de medida na internet. Será Comscore, que ganhou uma concorrência lançada pelos conselhos de direção de IAB e AIMC. Enquanto isso vamos continuar tentando entender que quando falamos de dados Omniture, Google Analytics, Webtrends, Site Census e tantos instrumentos censuais, falamos de Cookies ou navegadores únicos. E que quando falamos de painéis ou entrevistas (Comscore, Nielsen, EGM, etc.), falamos de usuários únicos mas que a sua estimativa é muito diferente da realidade, uma vez que deixamos de fora o tráfego internacional e o acesso a partir de dispositivos diferentes dos que estão em casa ou no trabalho. Estamos mais perto!   Rubén Gallardo Responsable de Audiencias PRISA Digital

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
web et cloud de votre entreprise
Transformando os gigantes (2ª parte): pessoas motivadas = liderança com talento

Continuando com a discussão no artigo anterior de "Trasformando os Gigantes". No vídeo que encontram no final, a professora Rosabeth...

Cerrar