Inspiração em cadeia

Set of conceptual firework units.
Visto 9.041 veces

Aunque tú no lo sepas

Se pesquisarmos no Wikipedia, Aunque tú no lo sepas é “o título de um poema, uma canção e um filme”, uma definição muito curta quando entramos nesta história de criação em cadeia. De fato, estamos falando de um exemplo claro de como uma idéia pode servir de inspiração para uma nova obra que, por sua vez, se converte no motor de outra criação e assim sucessivamente.

Não falamos de uma narração transmídia nem de uma iniciativa de inovação aberta, mas sim de uma espécie de contágio de idéias ou de uma forma de dinamizar o talento muito antes de o termo “viralização” ganhar protagonismo graças às redes sociais.

Seguimos e pista de Aunque tú no lo sepas e de momento, estas são as ligações que encontramos, distribuídas ao longo de quase 20 anos.

  • Tudo começa a parti de um poema de Luis García Montero publicado no livro Habitaciones separadas (1994).
  • O texto desse poema serviu de inspiração a Almudena Grandes, mulher de García Montero, para escrever o relato El vocabulario de los balcones, publicado pelo EL PAÍS SEMANAL no verão de 1994 e posteriormente incluído no livro Modelos de mujer (1996).
  • Juan Vicente Córdoba se inspirou em El vocabulario de los balcones para o guião de um filme que estreou no ano 2000 e que retoma o título original de García Montero:  Aunque tú no lo sepas.

  • O poema de García Montero também inspirou uma canção com o mesmo título escrita por Quique González, que apareceu no segundo disco de Enrique Urquijo y Los Problemas, Desde que no nos vemos (1998).

  • Quatro anos depois, o próprio Quique González incluiu a mesma canção no seu disco Pájaros mojados (2002), mas com uma particularidade: acrescentou um último verso à letra.

  • Essa pequena diferença entre as versões interpretadas por Quique González e Enrique Urquijo se incorpora no argumento de Deseo de ser punk (2009), uma novela de Belén Gopegui onde a música tem um protagonismo especial.
  • A canção de Quique González, que también teve uma versão, em 2009, dos El Canto del Loco, é interpretada por Claro Lago no filme Tengo ganas de ti (2012) que, por sua vez, é uma adaptação de um romance de Federico Moccia..

Em suma, uma primeira idéia incorporada num poema foi sendo alimentada por novas perspectivas e deu lugar a um relato, um filme, uma canção, versões dessa canção, uma trilha sonora… E certamente que muitas outras criações estão por chegar, sobretudo agora graças às novas tecnologias, Internet e redes sociais.

José Ángel Plaza

Equipe de Transformação da PRISA

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
Humano_850
O melhor dispositivo que existe

Hoje, queremos mostrar-lhe o melhor dispositivo de agora e de sempre: falamos do Ser Humano, cuja capacidade de comunicação jamais...

Cerrar