Como se relacionam os livros de texto e os ambientes pessoais de aprendizagem?

Still life at school
Visto 19.291 veces

O termo PLE (ou ambiente pessoal de aprendizagem, do inglês Personal Learning Environment) começou tendo relevância no contexto educativo há alguns anos, coincidindo com a generalização das redes sociais, a quantidade de serviços da Web 2.0 e a procura de uma maior utilização de informação própria do contexto digital.

Mas o que é um PLE? Todos temos um PLE? Como o desenvolvemos? Os livros de texto têm alguma coisa que ver com eles? Desenvolveremos as respostas a estas perguntas ao longo deste post, mas a Santillana Argentina criou este vídeo para lhe apresentar este mundo e contar-lhe de que forma se pode combinar uma estratégia digital com os livros de texto, tentando incorporar neles a construção de meios pessoais de aprendizagem.

-

Um PLE se define como “o conjunto de ferramentas, fontes de informação, ligações e atividades que cada pessoa utiliza de forma assídua para aprender”. Segundo Jordi Adell, doutroado em Filosofia e Ciências da Educação, o PLE é uma forma de aprender. Neste sentido, este conceito não se reduz a uma aplicação nem a um software, estamos falando de sistemas que ajudam a organizar e gerenciar a nossa própria aprendizagem. É o próprio Adell quem o explica de forma mais detalhada nesta entrevista realizada por Josi Sierra para o blog CC-ConoCity.

Ainda que sempre tenhamos desenvolvido estas capacidades, hoje em dia são mais necessárias pela grande quantidade de informação a que temos acesso e pela procura de construção de conhecimento através dela. Há quem afirme que não é nada de novo, que sino que “indicam as formas que temos de aprender, as ferramentas que utilizamos e as interações que geramos com elas”, como afirma Jordi Martí neste post.

Por outras palavras, é algo que sempre fizemos mas com outras ferramentas e outro caudal de informação disponível. E “todos temos um PLE” como defendem Linda Castañeda e Jordi Adell. Por exemplo, para poder escrever este post, o que fazemos é recolher informação, organizá-la, processá-la, produzir um texto e partilhá-lo. E todo este processo está relacionado com o nosso PLE. A diferença é que, quando tomamos consciência dele, podemos tirar maior proveito e desenvolver estratégias de aprendizagem cada vez mais úteis. Os PLE nos ajudam a gerenciar a nossa própria aprendizagem e contribuem tanto para a melhoria das competências digitais do que o usam como para o desenvolvimento da competência de aprender a aprender.

E se estamos falando de estratégias para aprender, os livros de texto incorporam ferramentas para alcançar esse objetivo. Mas também oferecem oportunidades para o trabalho com os PLE dos alunos?

Vamos recordar os livros de texto dos últimos 25 anos para rastrear também como o tema foi tratado. No final dos anos 80 do séc. XX, os livros colocavam muito mais ênfase no trabalho com “técnicas de estudo”, “documentos” e, claro, procuravam ir mais além propondo uma importante quantidade de bibliografia para ampliar os temas. Aprender a aprender era poder utilizar todas estas estratégias e aplicá-las na construção do próprio conhecimento.

Historia 3. Ediciones Santillana, Buenos Aires, 1990.

Historia 3. Edições Santillana, Buenos Aires, 1990.

A década dos anos 90 trouxe o auge de algumas estratégias como os mapas conceptuais, úteis para a organização da informação e avaliação. Os livros foram o reflexo disso durante muito tempo.

Manual 5. Santillana, 1997.

Manual 5. Santillana, 1997.

Com o novo século, os livros começaram a incorporar páginas web para consultar, mais informação em imagens e se aproximaram de um contexto fortemente visual.

Biología. Ediciones Santillana. Buenos Aires, 2009.

Biología. Ediciones Santillana. Buenos Aires, 2009.

Mas, como mencionamos antes, o conceito de PLE chegou à educação nos últimos oito anos e não se incorporou nos livros. Todo o trajeto serve como antecedente das estratégias que ajudam a aprender a aprender. No novo contexto digital, se poderiam articular os livros de texto com a construção do PLE? Requereriam um livro mais aberto? Quanto tempo teremos de esperar para que estas propostas se expressem nos livros? Os livros fazem parte do PLE, mas também podem ser ferramentas para a sua construção.

Nilda Palacios
Diretora de Conteúdos Digitais da Santillana Argentina

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
e-Learning
Como se encontra o e-learning?

O surgimento do e-learning, as novas tecnologias aplicadas à educação, representou o início de uma revolução no clássico sistema educativo...

Cerrar