Twitter, o #15m ou como fazer jornalismo em 140 carateres

14052012

Os XXIX Prémios de Jornalismo Ortega y Gasset distinguiram este ano Carmela Ríos na categoria de Jornalismo Digital pela sua cobertura do início do movimento 15M através do Twitter. O seu trabalho foi considerado pelo júri como “um exemplo para as novas gerações de jornalistas”. Carmela Ríos, que recebe hoje o galardão, nos conta neste post como começou a experiência que lhe valeu este prémio.

 

Twitter, o #15m ou como fazer jornalismo em 140 carateres

 

A cobertura em direto do movimento do #15m através do Twitter nasceu graças à conjugação de várias circunstâncias. Como, por exemplo, viver neste momento do século XXI, quando milhões de pessoas, entre as quais eu me incluo, utilizam o telefone celular quase como uma terceira mão. Também tinha uma certa experiência na utilização das redes sociais, o critério jornalístico próprio de quem conta com vinte anos de carreira e muito interesse na evolução dos movimentos de protesto civil como os que tive oportunidade de acompanhar em França, onde trabalhei como correspondente para as cadeias de televisão Antena 3 TV e CNN+. E, mais importante do que tudo, tinha uma notícia para relatar.

Estas foram as minhas ferramentas. No dia 7 de abril de 2011, compareci na primeira manifestação convocada pelo grupo Juventude Sem Futuro. Foi uma marcha concorrida, salpicada de cartazes com mensagens cheias de saturação e determinação. Era uma notícia e eu não tive de pensar em nada. Só tive de responder ao impulso que toma conta dos jornalistas quando estão perante uma boa história. E aquela era uma boa história.

Fotografei e publiquei na minha conta do Twitter dezenas daquelas mensagens com a ajuda do meu Blackberry (um Bold 9700), completando a informação com manchetes de 140 carateres. Aquela marcha de jovens descontentes saiu do itinerário planeado e acabou cortando o Paseo de la Castellana, em Madrid. Era já de noite.

À marcha do dia 7 de abril se seguiu a manifestação que, no dia 15 de maio, um domingo, colocou o movimento na ribalta. Desde esse dia, alternei dois relatos: as crónicas e os diretos a partir da Puerta del Sol para os noticiários da Cuatro TV  com a cobertura no Twitter. Esta última requeria uma presença constante e, por isso, aproveitei os meus tempos livres e dias de folga.

O Twitter se tornou um suporte de difusão imediata mas também uma valiosa ferramenta para obter informação, verificar fontes e manter uma relação direta e próxima com muitas das pessoas que começaram a seguir os meus relatos naqueles dias. A gratidão que me mostravam por ser os “seus olhos” na Puerta del Sol continua a ser uma das recordações mais queridas daqueles dias. Ficou também a convicção de que, graças a redes sociais como o Twitter, o jornalismo entrou numa nova era.

 

Carmela Ríos
Jornalista de Noticias Cuatro. Prémio de Jornalismo Digital Ortega y Gasset 2012.

 

Mais sobre Carmela Ríos:

En Twitter: @CarmelaRios
En su blog: carmelarios.com
Especial El País: Carmela Ríos, narracion del 15M. Premios Ortega y Gasset 2012.
En la Página oficial de los Premios Ortega y Gasset

Deixe uma resposta

MENU
Leer entrada anterior
13052012
Um pouco de SEO. Novidades de pesquisa em motores de busca

As últimas semanas produziram bastantes novidades no mundo dos motores de busca, e duas delas, desenvolvidas pela Google, são as...

Cerrar