2020: Um mundo feliz

2020

“Daqui a sete anos, este mundo será tão radicalmente diferente que até os nativos digitais se tornarão imigrantes digitais.” Foi esta a postura categórica de Javier Rodríguez Zapatero, diretor-geral da Google em Espanha, Portugal e Turquia, durante a sua apresentação em A Internet É Sua, um dos encontros com que se comemorou o passado Dia Mundial da Internet em Madrid.

Esta segunda revolução digital terá como origem o crescimento exponencial do número de internautas. Assim, se atualmente há 2.400 milhões de pessoas ligadas à Rede, estima-se que, em 2016, este valor terá duplicado, alcançando os 5.000 milhões, e que, no final da década, praticamente toda a sociedade a nível mundial estará conectada à Internet.

Neste contexto, a Rede das redes será mais do que nunca o motor que articulará e moverá o mundo em todos os quadrantes. E estes são, segundo a Google, quatro das principais questões a que será necessário dar uma resposta.

  • A identidade. A sociedade, em geral, ainda não aprendeu a manejar as diferentes identidades digitais com que opera na Internet, nem a uni-las de forma adequada com as identidades reais.
  • A política. Num mundo global em que tudo acontece praticamente ao mesmo tempo, será necessário regular aspetos chave como a liberdade de expressão, a propriedade intelectual ou a privacidade. Se alguns territórios geopolíticos apresentarem uma legislação mais restritiva do que outros, haverá consequências negativas para a liberdade de mercado, pelo que o mais lógico seria caminhar para uma legislação cada vez mais comum e global.
  • Os negócios. A mobilidade proporcionou uma ligação 24x7x365 à Internet, o que está permitindo que se diluam as fronteiras entre o mundo online e o mundo offline. Isto fará com que os negócios vivam num só mundo e a oferta deverá se adaptar a essa nova procura universal.
  • A relação com os objetos. Por muito que, hoje em dia, se fale da Internet das coisas, ainda há muitas novidades que estão para chegar em relação a este tema. Uma vez que a Rede é um mega computador que continua somando informação todos os dias, tudo o que a ela se ligue estará dotado de inteligência artificial e nos fará operar de uma forma distinta. Os Google Glass e os automóveis sem condutor em que o Rei das Buscas está trabalhando são dois claros exemplos disto.

Qual será o resultado final desta segunda revolução? Rodríguez Zapatero não tem quaisquer dúvidas: “Como sou um otimista digital nato, acredito que, no final desta década, teremos um mundo muito mais feliz.”

 

José Ángel Plaza

Equipe de Transformação da PRISA

Comments are closed.

MENU
Read previous post:
LOGO SOMOS UNIO?N
SOMOS, ONG unidas para mudar o mundo nas redes sociais

Pelo segundo ano, 35 ONG se uniram para organizar a SOMOS, uma campanha cuja intenção é agradecer aos seus sócios...

Close