Redes sociais temáticas: os pássaros da mesma pena voam juntos

Apesar de as rainhas indiscutíveis entre as redes sociais continuarem sendo o Facebook, o Twitter, o Pinterest, o FourSquare ou o Ning, com milhões de usuários dispersos por todo o planeta, há um extenso grupo de redes sociais denominadas de temáticas ou de nicho, que estão registando usuários a passos de gigante. Estas redes tentam acolher nas suas plataformas os usuários que procuram se identificar com certos gostos ou interesses mais específicos do que os que as redes sociais mais genéricas oferecem. O caso de maior êxito deste tipo de redes é a conhecida  LinkedIn, uma rede que une profissionais a nível global. Mas, como vai poder ver, há muitas outras mais e para todo o tipo de público e de usuários:

• Para os que misturam a gastronomia com um certo ar de clandestinidade:

Existe a Cookflat, uma rede social em que os participantes oferecem as suas casas como restaurante. Cozinheiros amadores oferecem os seus pratos e a sala da sua casa a quem estiver disposto a pagar.

• Para tricoteiros incansáveis:

Ravelry é uma autêntica ‘seita’ do tricô que lhe oferece a possibilidade de entrar e partilhar com eles os segredos dos melhores pontos e crochês.

• Para os que são cheios de si:

A plataforma social  Beautifulpeople só permite a entrada a pessoas bonitas ou que se considerem bonitas. Um autêntico escaparate de egocentrismo do qual você pode fazer parte, se estiver à altura, claro. E para você quiser ficar bonita ou bonito, o melhor é juntar-se a Pose, uma rede social concebida como uma aplicação móvel e que une pessoas interessadas em moda. Se isto lhe parece demasiado superficial, aqui tem o Intellectconnectque liga pessoas intelectualmente desenvolvidas e em que a parte física não importa; o importante é unir pessoas com as mesmas inquietudes culturais, artísticas e criativas.

  • De zombies e vampiros, ora pois: Desde que os “caminhantes putrefactos” e os “chupadores de sangue” se tornaram moda, não há nada que não tenha levado o tratamento zombie. Literatura, televisão, cinema e, obviamente, as redes sociais como a  LostZombies e a Vampirefreaks . Aqui, os amantes destes géneros reúnem-se para planear a resistência em caso de uma hecatombe de “devoradores de miolos” ou para imaginar como é o amor antes e depois de uma mordida no pescoço.

• Para os que buscam a fama, nem que seja só entre amigos e conhecidos.

Redkaraoke é provavelmente uma das redes sociais de maior êxito e a verdade é que não é de estranhar. Experimente tirar os microfones do SingStar em sua casa e verá como até o seu cunhado bizarro fica com vontade de cantar.

 

• Para quem quer cuidar de si:

Outro nicho com muita afluência de usuários é o que está relacionado com a saúde e o bem-estar. Care2é um bom exemplo que conta já com mais de 21 milhões de registos. Sabemos que falar sobre doenças e saúde é um curioso passatempo para muitas pessoas. Também no âmbito da saúde, temos RareShareuma comunidade dedicada a congregar pessoas interessadas ou afetadas por doenças consideradas raras. É uma plataforma que, por outro lado, ajuda a dar visibilidade a um tipo de doentes que acabam por nunca serem reconhecidos pelas autoridades médico-sanitárias.. Mas se a saúde terminou infelizmente você pode pedir que sea lembrado em redes sociais como Inmemoriam, um fórum social para que amigos e conhecidos podem se lembrar  da memória de um ente querido. Ou mesmo de algum famoso falecido pelo qual sente admiração, como é o caso do site Respectance.

• Para quem quer se descuidar:

Se você está mais longe de ser tão cuidadoso com o seu corpo, há redes sociais para bebedores de cerveja, o que já por si é um ato bastante social, como o Untappd que lhe permite fazer o ‘check-in’ nas cervejas que vai bebendo e experimentar as que são recomendadas por outros usuários e clientes habituais de bares. A pioneira da ideia foi a  Fubar, onde é possível criar virtualmente ambientes de bares online e abertos 24 horas para falar com outras pessoas ou passar música para os seus contactos. Lembre-se de usar o bate-papo com moderação (e beber também). Se exagerou na cerveja, pode sempre perder algum peso entrando no  Thoosuma rede dedicada a unir gente interessada em praticar esportes ao ar livre como o surf, o parapente, a escalada, etc.

• Para os melhores amigos do homem:

Caso você partilhe a sua vida com um animal de estimação, partilhe também a sua vida digital e registe-se numa rede social onde possa falar sobre latas de comida e subir fotos de gatos ronronando ou de focinhos caninos colados à lente da câmara. Recomendamos a rede Catster, se você tiver um gato, e a Dogaboo se tiver um cão, na qual você pode também contactar com donos de outros cães que poderão cuidar do seu quando tiver de sair de casa, por exemplo, para fazer uma viagem que tenha sido recomendada por um dos 21 milhões de usuários da rede social de viajantes Wayn.

• Para mães e pais:

Se você for mais caseira e familiar, pode usar a Cafemom e a Miximoms, nascidas para unir mães que possam resolver as dúvidas e as necessidades que afetam outras mães. Do mesmo género, mas com uma atitude igualitária em relação aos pais, temos Lapuertadelcole, onde ambos os progenitores, juntos ou separadamente, podem se ligar para debater ou conversar sobre qualquer tema que tenha a ver com a educação dos seus filhos.

• Para políticos e ativistas:

Senatia, que acaba de ser lançada, quer formar no seu seio grupos políticos e de cidadãos que aprovem leis, propostas e decisões de forma coletiva. Outra rede que quer fazer ouvir a sua voz é a Populetic, um megafone para denunciar abusos de profissionais, empresas e entidades públicas. Nasce com um espírito de denúncia semelhante ao de Change.org ou do Avaaz mas agrega mais características de social media.

E isto não é tudo, há centenas de redes e é possível que apareçam muitas mais até ao fim do ano. Os interesses de cada indivíduo são muitos e variados e é lógico que se manifestem assim, na criação dos seus espaços digitais. Se você pertence a outra rede social temática ou de nicho que gostaria de ter visto incluída neste artigo, conte-nos tudo aqui e procure alguém para partilhar os seus interesses.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MENU
Leer entrada anterior
Em busca do engagement perdido

Atualmente, o consumidor, ou melhor dizendo, o usuário, já não é tão fácil de surpreender e muito menos de convencer...

Cerrar