Qual é a melhor cidade para viver?

Muito antes do apogeu do Big Data, as administrações da maioria das cidades do planeta compilavam dados de todo o tipo sobre a sua urbe: número de habitantes, recolha de resíduos, edifícios industriais, etc. Agora, com os meios tecnológicos de que dispomos, podemos estruturar toda esta informação e até mesmo combiná-la com dados de outras cidades. UrbanObservatory Richard Saul Wurman, um dos fundadores de TED, soube aproveitar os dados que durante anos meia centena de cidades de todo o mundo foram produzindo e oferece-os através de uns espetaculares mapas interativos onde podemos inclusivamente fazer comparações entre até três cidades em simultâneo. Os dados encontram-se segmentados em cinco categorias diferentes: • Work: Com dados sobre o comércio e a atividade industrial. • Movement: Tudo o que está relacionado com transportes: aeroportos, linhas ferroviárias, ônibus, etc. • People: Com informação sobre a população e que inclui desde a habitação até aos dados propriamente demográficos. • Public: Dados sobre os espaços de caráter público: centros de saúde, parques, praças, etc. • Systems: Aqui, encontram-se os dados relativos ao meio ambiente, tais como: temperatura, pegada de carbono, poluição visual e outros dados ecológicos importantes. UrbanObservatory02 A finalidade destes mapas não é apenas fascinar o internauta, apesar de também ser, mas sim mostrar a chamada dinâmica das cidades, que estuda o desenvolvimento progressivo delas e prognostica o crescimento nas próximas décadas, promovendo grandes mudanças positivas que derivam dessa monitorização dos dados. Mudanças que podem melhorar consideravelmente a habitabilidade destas low cost creative suite 6 urbes: desde otimizar a distribuição de água potável até ao controle da contaminação, passando por melhorar o conhecimento das administrações locais acerca dos tipos de habitantes que se encontram nas suas cidades. O Urban Observatory pode ser consultado no PC ou através dos dispositivos móveis clicando aqui: Urban Observatory

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MENU
Leer entrada anterior
Crowdfunding na época de Júlio Verne

Quando se fala de inovação, há uma palavra que não pode faltar nos últimos tempos: crowdfunding. Este método de financiamento...

Cerrar