Diez claves para generar newsletters eficaces

Os boletins de novidades são o melhor escaparate para a sua página. O email é um canal direto, barato e com muito potencial para difundir os conteúdos e fidelizar os seus usuários. Exprima todas as possibilidades e otimize as suas comunicações com estas diretivas simples!

1.- Selecione bem o conteúdo, assunto e personalização

O conteúdo tem de ser atrativo, tem de apresentar um valor acrescentado e conter um “gancho” que fomente os cliques. Para acertar nesta escolha, é preciso conhecer bem o usuário, os seus gostos e as suas preferências. Não devemos esquecer o assunto da mensagem, que tem de ser claro, direto e, claro está, relacionado com o que é desenvolvido mais à frente no corpo da comunicação e nas páginas de destino. Personalizar o assunto e a saudação inicial também ajuda a transmitir uma mensagem de maneira mais próxima e direta, contribuindo assim para melhorar as conversões.

2.- Não quero ser spam!

É importante que a comunicação não caia no “lado negro” das caixas de entrada (correio não solicitado, spam…). Para conquistar uma “boa reputação”, é preciso prestar atenção aos seguintes pontos:

–          O assunto: Evitar “as palavras proibidas” de todos os envios de email marketing: grátis, oferta, ganhe, descontos… Também não são recomendáveis certos carateres e sinais: exclamações, €, %… Também não se recomenda o uso de palavras completas em maiúsculas.

–          A estrutura da newsletter: O ideal é que ela esteja estruturada em HTML e que o conteúdo seja equilibrado, ou seja, 50% de imagens e 50% de texto. Além disso, é preciso tentar que o texto fique sempre na parte superior da mensagem, para que o usuário possa lê-lo mesmo que as imagens não cheguem a ser mostradas.

–          Incluir claramente a identificação da marca no remetente e de forma bem visível no corpo da mensagem. Isto vai servir para que o leitor identifique a comunicação facilmente e também para evitar que os gestores de correio bloqueiem a receção, gerando assim uma “boa reputação” para os envios.

–          Outra boa prática que evita cair no spam é acrescentar o remetente à lista de direções do email enviado.

3.- Criar comunicações para dispositivos móveis

O email no celular não é o futuro, é o presente. Os rácios de abertura de emails a partir de dispositivos móveis se situam nos 30%, em comparação com os 70% de aberturas em computador, segundo os dados da PRISA. Por dispositivos, o iPhone e o Android dividem entre si o grosso destas aberturas. Estes dados crescerão exponencialmente em 2013 e devem estar na sua mira, para que os boletins estejam adaptados a estes dispositivos. De acordo com estas premissas, a conceção ideal para uma boa adaptação móvel seria um design de cerca de 450-500 píxeis de largura, botões e ligações com uma área de interação mínima de 44×44 píxeis, com “call to action” e textos claros e atrativos. Também é preciso integrar imagens com pouco peso, o que facilitará o carregamento.

4.- Condições legais e desistências

À semelhança de qualquer outro tipo de correio, as newsletters devem ter uma nota de rodapé legal em que se explica por que o usuário está recebendo esta comunicação e em que condições. Igualmente imprescindível é indicar como se pode dar baixa e, assim, anular a subscrição.

5.- Newsletters sociais

As redes sociais são o aliado perfeito para tornar o conteúdo viral da forma mais eficaz. Ao mesmo tempo, são também canais ideais para fomentar a subscrição da newsletter da página, promovendo os benefícios dessa subscrição ou fomentando a captação através de concursos ou ações participativas. Aqui, você encontra algumas diretrizes interessantes sobre a colaboração entre os social media e o email marketing.

6.- Ouvir o leitor

Ter o feedback dos usuários em relação às newsletters é também um elemento básico para alcançar um relacionamento fluido com eles. Há várias maneiras de fomentar esta participação, como acrescentar um link para o gabinete de apoio ao cliente no boletim ou solicitar feedback ou fazer um inquérito em caso de desistência.

7.- Páginas de subscrição e páginas de destino

Uma boa prática é explicar na mesma página do formulário de registo os benefícios e as vantagens de fazer parte da base de dados da página e criar um email de boas-vindas automático para iniciar a sua relação com o usuário. As páginas de destino devem ser igualmente atrativas e adaptadas aos dispositivos móveis, uma vez que da qualidade da página depende o êxito da nossa comunicação e atingir o nosso objetivo final: fidelizar e transformar o usuário leitor em usuário cliente ou visitante assíduo do portal.

8.- Cuidar da base de dados de usuários

É o nosso bem mais precioso. Manter a base de dados atualizada facilitará muito o trabalho de otimizar qualquer ação de email marketing. Em função do tipo de comunicação, é possível fazer envios segmentados de acordo com o perfil (género, idade, localização…), uma prática que contribui para melhorar as taxas de conversão e a fidelização.

9.- Periodicidade e hora dos envios

A frequência do envio das newsletters deve adaptar-se à capacidade do meio para gerar conteúdos frescos e interessantes. Uma vez decidida essa periodicidade, esta deve ser mantida e não “falhar” com o usuário que espera fielmente o envio (diário, semanal, quinzenal, mensal…). Em relação à melhor hora para enviar comunicações, segundo um estudo recente da GetResponse, 23,63% dos emails são abertos durante a primeira hora a seguir à sua receção. As horas que geram uma maior percentagem de abertura são as oito e as nove da manhã, e as três e as quatro da tarde. Nesta infografia, você pode encontrar informação muito interessante a esse respeito.

10.- Medir os resultados

As métricas mais importantes a ter em conta, além da taxa de conversão (retorno por investimento ou ROI), são: as taxas de abertura, a taxa de cliques, o click to open (CTO, a percentagem de usuários que fizeram clique no email em relação às aberturas). Se você conta também com ferramentas de medição de audiências para a sua página (ComsCore, Nielsen, Omniture, Google Analytics…), pode igualmente gerar códigos de seguimento para os links da newsletter, o que lhe permitirá conhecer a incidência que as comunicações têm em relação à audiência global da sua página de Internet (o volume de tráfego que se gera) e comparar a eficácia de cada comunicação enviada.

A integração destes dez pontos é a chave para alcançar o objetivo da newsletter: não só chegar até ao usuário, mas também ter impacto sobre ele e deixar a marca necessária para obter o clique para a página de Internet, uma visita, o primeiro passo para captar o usuário e fidelizá-lo.

Bárbara Maregil

Email marketing projects

Departamento de Marketing da Prisa Digitalwellbutrin price

Comments are closed.

MENU
Leer entrada anterior
Os nossos dados pessoais circulam de forma segura pela Internet?

Todos devemos fazer-nos a pergunta que dá título a este post quando nos registramos ou fazemos login em qualquer das...

Cerrar