Educação e tecnologia, a necessidade de se entender

“A utilização da tecnologia na sala de aula não só melhorará a educação como a transformará radicalmente.” Esta é a convicção de Francesc Pedró, chefe da Divisão de Políticas Setoriais, TIC e Educação da UNESCO e autor do estudo  “A Tecnologia para a Melhoria da Educação”, texto que esteve na base da XXIX Semana da Educação celebrada em Madrid no final de fevereiro e organizada pela Fundação Santillana.

Francesc_Pedro_UNESCO_2Porém, essas mudanças radicais não surgirão por artes mágicas com a simples implementação de soluções informáticas; é necessário realizar um exercício muito mais profundo. De fato, Pedró sublinha que a tecnologia não se deve limitar a funcionar como um mero suporte através do qual se transmite conteúdos. Muito pelo contrário, o debate deve partir da seguinte pergunta: Estão os professores e o sistema educativo à altura do que o que os alunos da era digital já são capazes de fazer?

Neste sentido, duas das funções fulcrais da tecnologia são desenvolver as competências dos docentes e mudar os processos de aprendizagem. “A escola e os nossos sistemas educativos têm de ser mais eficientes”, afirma Pedró. Fica assim clara a necessidade de repensar o atual sistema educativo e o consenso entre os especialistas na hora de analisar as mudanças necessárias para alcançarmos uma educação de qualidade: faz falta formar e apoiar o professorado para adaptar os currículos às necessidades do século XXI e há que centrar o ensino no talento e nas capacidades dos alunos.

kinder benutzen tablet-pc im unterricht

Se o professor constitui um elo de ligação fundamental para integrar a tecnologia no contexto escolar, é lógico que seja tratado como um ponto crítico da reforma do ensino. É uma opinião partilhada por Xavier Prats, diretor geral de Educação e Cultura da Comissão Europeia e responsável pelos novos programas Erasmus+ e Marie Curie para 2014-2020: “A Europa necessita de uma nova geração de educadores capazes de explorar o potencial que a educação tem para sanar desigualdades e ultrapassar a crise.

Não é por acaso que a Secretária de Estado da Educação do governo espanhol, Montserrat Gomendio, salienta que o desemprego juvenil é “o resultado das deficiências do sistema educativo” e que a solução se baseia em “colocar a educação no nível prioritário que merece”.

• Se você quer reviver este evento e ouvir novamente todas as apresentações você pode fazê-lo através destes vídeos:

Comments are closed.

MENU
Leer entrada anterior
Found in translation

Falar outras línguas tem sido, desde tempos imemoriais, um dos grandes desejos da humanidade. Para termos uma ideia, basta recordar...

Cerrar