O poder fatigante de um viral

O vídeo viral, o método mais eficaz utilizado atualmente pelo marketing para que a nossa mente retenha um produto ou uma marca. O YouTube está cheio deles, como o mítico “Gangnam Style ou o chamativo “Harlem Shake”. O mais impactante deste fenómeno é a forma como consegue fazer com as pessoas participem e cheguem mesmo a pegar na câmara para realizar e difundir as suas próprias criações audiovisuais baseadas na original.

O último vídeo deste género é a canção de Pharrell Williams, “Happy”, um novo fenómeno viral que está causando sensação nas redes sociais e que, como aconteceu com os seus antecessores, é tão explorado que chega a tornar-se cansativo e angustiante dar de caras com uma nova versão. Já se sabe que o que é pouco agrada e o que é demais enjoa. Portanto, a esperada resposta ao fenómeno social são as paródias, que surgem como bastiões de sensatez entre tanta loucura viral, tornando-se elas próprias conteúdos partilhados de distribuição rápida, o que vai dar no mesmo: é como apagar um fogo com gasolina.

O mais curioso, ou melhor, o mais grave, é ver como esse conteúdo viral funciona de maneira diferente dependendo do ponto do mundo onde ele seja produzido ou emitido. Nos países democráticos, onde temos mais liberdade, ter estes produtos do marketing viral em praticamente todo o lado acaba produzindo o dito cansaço quase de imediato. Por outro lado, nos países onde a liberdade não existem, transformam-se em escassos tesouros que trazem esperança. Porque nesses países, o mero ato de visualizar um desses vídeos é um delito grave ou até mesmo um crime, se alguém decidir realizar um e pô-lo na Internet. Foi esse o caso dos 6 jovens iranianos detidos por se “atreverem” a fazer a sua própria versão de “Happy” num país onde, ao que parece, os jovens não têm sequer o direito de se sentirem felizes. Alegra-me que, finalmente, tanta viralidade tenha servido um propósito concreto, para nos darmos conta da difícil situação que se vive noutros países. Por isso, dedicamos-lhes o nosso vídeo de sexta-feira.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MENU
Leer entrada anterior
O melhor do Kickstarter (e o pior) em criatividade tecnológica

A plataforma de crowdfunding, ou “financiamento em massa”, mais famosa da Rede acaba de fazer 5 anos. Neste curto espaço...

Cerrar