O fosso digital entre docentes

closeup hand putting a tablet pc in the shelves in the library

Estamos numa época de mudanças profundas que estão gerando um fosso entre os que nadam, com mais ou menos esforço, na sociedade do conhecimento, alimentando-se nas redes, e os que ficam na margem, desconcertados perante as novas capacidades que este novo modelo de sociedade exige. É então natural que os docentes de hoje em dia enfrentem importantes desafios nas aulas:

  • O principal é que os alunos se entediam nas aulas, seis horas por dia, cinco dias por semana. À medida que avançam nos níveis educativos, eles vão se desconectando do processo de aprendizagem. Alguns compreendem a necessidade de um diploma e jogam, seguindo as regras, para obtê-lo. Mas poucos, muito poucos, retiram prazer das horas de aprendizagem ou de aprender o que a maioria dos docentes ensina.
  • O acesso à sociedade da informação, das telas conectadas, está alterando o cérebro humano. Não é apenas uma questão de as crianças e os jovens não quererem, eles não conseguem permanecer tantas horas por dia sendo sujeitos passivos a quem se transmite conhecimento. Não têm a mesma capacidade de concentração que os professores tinham quando tinham a idade deles (e que já não têm, por estarem imersos nessa mesma sociedade hiperconectada) e são incapazes de escutar um professor após o outro que, hora após hora, lhes transmitem coisas enquanto exigem uma atenção silenciosa. Eles precisam de aprender fazendo.
  • A Rede e os video games habituaram-nos a desafios moderadamente difíceis onde têm de experimentar, deduzir, investigar… Na escola industrializada que temos, não há tempo para estes processos. Os programas enormes e irreais são um fardo, uma vez que obrigam os professores a dar tudo feito ao aluno e muito depressa: “É melhor eu explicar tudo, não há tempo para você deduzir”.
  • A educação é cara (apesar de a ignorância sair muito mais cara, claro). Todos os estudos feitos sobre o tema chegam à mesma conclusão: o segredo para um sistema educativo de qualidade está em contar com professores excelentes. Mas, para ser excelente, é preciso ter tempo: para preparar as aulas, para colocar em marcha metodologias complexas, para se coordenar com outros, para se formar e até para refletir. Infelizmente, o sistema educativo atual encara o docente como um operário numa linha de montagem, capaz de realizar o mesmo trabalho todos os dias, de forma mecânica, durante as horas que forem necessárias. Com uma carga letiva tão pesada como a atual, é impossível ser excelente ou chegar sequer perto disso. Se a isso acrescentarmos equipamentos informáticos insuficientes nos centros e uma má ligação à Internet, tentar trabalhar como se deveria fazer neste século torna-se um ato heroico.

cash advance owensboro
Perante este panorama, serão as TIC apenas mais um fardo para o docente já sobrecarregado? A resposta é um não redondo. Bem utilizadas, elas podem dar resposta aos desafios que descrevemos: as redes e comunidades virtuais profissionais oferecem formação à medida e evolução profissional. Elas nos aproximam de outros colegas, dos alunos e das famílias. De peritos e empresas que podem levar a realidade para a sala de aula. E mais, através das ferramentas, é possível mudar as metodologias. O que precisam os professores para terem acesso a essas vantagens 2.0?

  • Uma competência digital mínima: buscar e filtrar conteúdos, criá-los (vídeos, apresentações, podcasts) e recriá-los (conhecimento sobre licenças e ferramentas de edição).
  • Passar de consumidores a produtores: ferramentas simples como blogues e wikis permitem a qualquer um publicar os seus próprios conteúdos. Passar da Internet em modo de leitura para a Internet em modo de leitura e escrita.
  • Demonstrar respeito pelo aluno, pelos seus interesses, pela sua forma de aprender e pelo direito que deveríamos assegurar de não se aborrecer tantas horas da sua vida. Não é verdade que os alunos não queiram aprender; resumidamente, eles não querem aprender assim. E também merecem que tentemos, pelo menos, prepará-los para a sociedade em que têm de viver: privacidade, segurança, marca pessoal e pegada digital são temas vitais aos quais não estamos dando a atenção necessária. Largamos os nossos alunos no meio de uma selva sem mais nem menos, com equipamento desatualizado e sem mapa.
  • Desenvolver um Ambiente Pessoal de Aprendizagem (a sigla em inglês é PLE) nas redes que nos permita ligar e aprender com outros, de forma a que cada um possa eleger o seu itinerário formativo mediante as necessidades, as afinidades e os interesses educativos próprios. Se trata de expandir o corpo docente através da Internet.

Nunca tivemos tantas oportunidades para aprender nem um acesso tão amplo ao conhecimento: cursos abertos das melhores universidades do mundo, palestras online dos atuais líderes intelectuais, intercâmbio de ideias e informação com qualquer pessoa do planeta… Estas oportunidades criam diferenças enormes entre os docentes que aproveitam o potencial da Rede e os que, bloqueados pela falta de competências digitais básicas ou por uma falta de visão pura e simples, se ficam pela margem. O fosso digital começa a ser evidente e é o dever de cada um dos lados tentar construir pontes já que, quer gostemos ou não, somos um corpo docente global.

Mais informação:

Aproveitar a oportunidade da Sociedade da Informação em Espanha

As competências digitais dos docentes segundo Pere Marqués

Comments are closed.

MENU
Read previous post:
Retro Media icons
É transmedia ou não é?

  España en Serie é uma recordação da ficção espanhola dos últimos anos. Dá-nos uma idéia de como a sociedade mudou...

Close