Meetinarts: Conectando el talento de la industria artística

O mundo da arte dispõe agora de uma nova ferramenta, a Meetinarts, uma plataforma digital que procura ligar artistas profissionais de diferentes disciplinas artísticas a empresas e organizações que permitam divulgar o seu trabalho. Adriana García-Abril Ruiz, Diretora Geral da Bolamar Music Media e criadora desta start up, nos fala um pouco mais sobre ela.

10 respostas a Toyoutome Blog

P- Fale um pouco do que é a Meetinarts e como surgiu a idéia.

A Meetinarts é uma plataforma profissional que liga o talento à indústria artística.

No meu dia-a-dia, faltava um espaço onde me pudesse relacionar com outros profissionais das artes, sem interferências de informação e conteúdos pessoais e onde, no mesmo sítio, pudesse encontrar rapidamente um profissional e conhecer o seu trabalho de forma audiovisual, estabelecer novas relações e difundir e promover as minhas obras de forma rápida e dinâmica. Foi dessa necessidade que surgiu a Meetinarts.

P- A sua proposta é criar um centro virtual para ligar os profissionais do mundo da arte em todas as suas disciplinas. Isso tem que ver com o coworking ou estamos falando de um conceito mais parecido com uma rede social? Há outras plataformas semelhantes na Internet? Qual é a vossa diferença?

A Meetinarts é uma rede profissional, é um ponto de encontro de artistas, autores, promotores, gestores e profissionais ligados às diferentes disciplinas.

A diferença da Meetinarts é que se dirige a profissionais das artes e, sobretudo, ser adaptada às necessidades de expressão e promoção dos seus trabalhos, reunindo facetas de outras redes, como oferecer a possibilidade de ter uma boa rede de contatos, como o Linkedin, ou de mostrar seus trabalhos, como o Flickr, e aproveitando as possibilidades de comunicação das grandes redes sociais, Facebook e Twitter, se integrando com elas, de forma a que as partes pessoais e profissionais de cada usuário estejam “juntas, mas não misturadas”. Neste link se pode ver um exemplo.

P- O “Cenário” é a forma de um artista promover o seu trabalho dentro da plataforma. Em que consiste, exatamente?

O cenário é um local destacado e de grande visibilidade na página de entrada de cada usuário da Meetinarts, onde se mostra o que os outros usuários nos querem apresentar e promover.
No meu caso posso buscar, por exemplo, diretores artísticos de teatros de ópera de determinado país, e ter a possibilidade de lhes enviar uma apresentação, amostra de áudio, de vídeo, e da partitura da ópera Divinas Palavras com apenas um clique, para que a possam consultar de forma ágil e direta, o que me parece crucial.
Para além disso, sabemos se a promoção que subimos para o cenário foi consultada ou não, o que me parece muito positivo. Quantas vezes enviou um videobook, um guião, um catálogo de obras ou uma maqueta sem saber se chegou ao destino? Com a Meetinarts, isso não acontece.

P- Numa declaração recente a Cinco Días, afirmou que, para você, a Meetinarts é uma mescla de lazer e negócio. Como se monetiza uma plataforma deste tipo? Qual é o modelo de negócio que se pode aplicar?

Efetivamente, a Meetinarts me dá muito prazer. A experiência de construir um projeto desses está sendo apaixonante! Adoro tudo o que está relacionado com arte, e passo horas vendo as obras apresentadas pelos usuários. Há muito talento!

O meu primeiro objetivo é que os usuários desfrutem e tirem partido e, como disse, se for um negócio, melhor ainda. Neste momento estou concentrada em dar a conhecer a plataforma e fazer crescer a rede, já que isso beneficia os próprios usuários da Meetinarts. Mais adiante, incorporaremos diferentes ferramentas de trabalho úteis para promover obras ou atividades, reunir talento e materializar relações profissionais, sempre mediante um sistema de “micro pagamentos”, pagamentos por usos pontuais. Não obstante, contaremos com uma conta Premium para os profissionais muito ativos na rede, que seja compensatória em termos de vantagens.
Para além disso, vamos realizar ações especiais, como concursos, entre os usuários da Meetinarts.

P- Quando se fala de arte ou de artistas no meio digital, logo surge o tema dos direitos de autor. Como convivem esses dois aspetos na Meetinarts? Há lugar na plataforma para figuras legais nascidas no meio digital como o Copyleft ou o Creative Commons?

Sim, no meio digital nasceram diferentes modalidades de licenciamento, e cada autor escolhe livremente a que deseja para a sua obra, e deverá fazer a advertência correspondente neste escaparate universal que colocamos à sua disposição.

P- Na sua definição, a Meetinarts fala apenas de profissionais. É uma regra estrita, ou estão abertos à participação de amadores? Há alguma disciplina artística que não possa ser integrada?

O que caracteriza a Meetinarts como profissional é o meio que se cria, um meio em que artistas, profissionais ou empresas possam mostrar seus trabalhos, suas obras e atividades, e se interligarem, sem interferências de conteúdos pessoais que, do meu ponto de vista, pertencem a outras redes fantásticas como o Facebook.
Um artista amador não deixa de ser um artista, e pode estar aberto a que surjam oportunidades profissionais relacionadas com a sua paixão, a arte.

P- No mundo artístico, incluindo o digital, as grandes produtoras discográficas e os grandes mecenas continuam tendo muito peso. Como veem esse tipo de plataforma? Participam nela?

Precisamente, a Meetinarts obteve o apoio de grandes empresas como a Sony Music, Hispafilms, , Arte 40, Planet Events, Grupo Drive Entertainment….

Há vários anos que a indústria vem se mudando e, forçosamente, se adaptando ao surgimento do digital, e hoje em dia creio que, de forma geral, todos somos buscadores e buscados. Também às grandes empresas lhes interessa contar com um espaço onde possam consultar de forma rápida e visual o trabalho de outros profissionais na hora de buscar um determinado perfil e ter uma ferramenta que permita estabelecer uma comunicação ágil com os profissionais que procuram. Para além disso, a Meetinarts permitirá, brevemente, fazer convocatórias para audições, o que simplifica e agiliza esses processos.

P- Gostaríamos agora que nos contasse os seus segredos digitais. Qual foi a sua última compra online? E o seu último capricho digital? E-book e /ou livro impresso?

Eu não imagino um dia sem a Internet. Consulto tudo na rede, e há coisas que já só compro através da Internet, como bilhetes de avião, entradas para o cinema, teatro, concertos…
A minha última compra online foi um TRX, um sistema para praticar desporto, e caprichos digitais… tenho muitos. Já estou de olho no iPhone 5, ou no Smartwatch da Sony, que me encanta, mas tudo a seu tempo! Quando a ebook ou livro impresso, leio os dois, consoante a situação. Em movimento, sem dúvida o ebook, na mesa de cabeceira, o livro impresso.

P- Qual é a aplicação que mais utiliza no smartphone? Nos recomenda alguma?

Utilizo muitas, e gosto de investigar as novas que vão surgindo. Uso aplicações relacionadas com fotografia, como o Instagram ou o Hipstamatic, com música, como o Shazam que acho genial para identificar a música que não conheço e que me fascina de repente, e outras de comunicação como o Whatsapp.
Uma recomendação? Recomendo o TMX World para quem goste de cozinhar, uma aplicação para conhecer e partilhar receitas na Thermomix. É genial.

P- O que pensa das redes sociais? Qual é a sua preferida? Se imagina um dia sem entrar nelas? Nos segue?

As redes sociais abriram um caminho tremendo na maneira como comunicamos. Poder ter a sensação de proximidade com um amigo que está a quilômetros de distância, ou simplesmente recuperar amizades de há anos atrás, manter amizades com quem temos uma relação próxima, saber deles e que estão bem, é incrível. Para além disso, agora que se está normalizando o uso das redes sociais, os abusos estão sendo cada vez mais controlados dentro das próprias redes, e graças a organizações como a Fundação Alia2, que está despertando a consciência para a importância da informação e educação das crianças na hora de entrar no fascinante mundo das Redes Sociais.

Quanto às redes profissionais, me parecem imprescindíveis, já que, por um lado, creio que é necessário diferenciar o lado profissional do pessoal, familiar e de amizades e, por outro, ter a oportunidade de aceder a outros artistas, gestores, promotores e galeristas de qualquer parte do mundo, e sem necessidade de ter um webmaster para atualizar e mudar a informação que queira dar a conhecer em qualquer momento.
Eu utilizo muitas, o Twitter para me informar em tempo real sobre os assuntos que me interessam, o Facebook entre os meus amigos e família, o Spotify para partilhar os meus gostos musicais e desfrutar dos dos outros, e a Meetinarts, para o meu trabalho, sendo uma ferramenta de que não posso prescindir, e que me dá um prazer enorme. Não há dúvida, a Meetinarts é a minha preferida.

Claro que sigo o blog Toyoutome!, que considero muito interessante; tem publicações muito úteis sobre tecnologia e redes sociais, como o de Mobile Media, que falava sobre o consumo de Internet no celular na Europa. Parabéns!

Obrigado Adriana e desejamos-lhe boa sorte com o seu projeto.

Miguel Ángel Corcobado
PRISA Digital

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.

MENU
Leer entrada anterior
O iPad matou a estrela PowerPoint

A tecnologia revoluciona a nossa forma de falar, pensar e também de criar. O artista e desenhador Marcos Balfagón fala-nos...

Cerrar