Estudos e Relatórios – Março 2015


Estudios_Tit_01

Tendências Globais

Tendências Digitais para 2015: a evolução da experiência do consumidor digital

Estudio_digitalTrends

Este relatório da Microsoft, elaborado a partir de dados de 13 países, indica as mudanças que se estão produzindo nos consumidores digitais, que se sentem cada vez mais cómodos partilhando informação sobre as suas vidas em dispositivos móveis ligados à Internet.

Previsões para o setor da Tecnologia em 2015

Estudio_deloitte

A Deloitte prevê que, em 2015, a Internet das Coisas (Internet of Things ou IoT, na sigla em inglês) continuará no auge, vendendo-se aproximadamente mil milhões de dispositivos sem fios ligados à Internet, mais 60% do que em 2014. Este número pressupõe o alcance de uma base instalada de 2.800 milhões de dispositivos.

 

10 Tecnologias Emergentes em 2015

Estudio_wef

O World Economic Forum apresenta neste relatório as dez principais tendências tecnológicas disruptivas em 2015 e tem como objetivo chamar a atenção para as tecnologias que apresentam maior potencial para fazer face aos desafios crónicos que o mundo apresenta, assim como iniciar o debate sobre os riscos humanos, sociais, económicos e ambientais que as tecnologias podem trazer, antes que a sua adoção seja mais ampla.

Educação

Uma nova visão para a Educação: o potencial da tecnologia

Estudio_wefED

O relatório do World Economic Forum e BCG examina o problemático tema da brecha em matéria de capacidades de futuro e explora vias para reduzi-la através da tecnologia. Entre as suas conclusões, destaca que a educação tem de se focar nas capacidades necessárias para o séc. XXI, com o objetivo de preparar os estudantes para as mudanças no mercado de trabalho.

A Internet como influência positiva na Educação

Estudio_pewEd

O Pew Research Center realizou este estudo que conclui que, atualmente, as pessoas dos países emergentes ou em desenvolvimento consideram que o uso crescente da Rede teve uma influência positiva em matéria de educação, relações pessoais e economia. No entanto, apesar dos benefícios das novas tecnologias, de uma forma geral, os indivíduos são propensos a afirmar que a Internet tem uma influência mais positiva do que negativa em temas de moralidade.

Crianças Online

Estudio_ChildEd

O Kaspersky Lab adverte para a necessidade da adoção de medidas de controlo paternal neste relatório em que se destaca o conteúdo impróprio a que os menores estão expostos. 59,5% dos usuários encontraram pornografia, 26,6% encontraram sites dedicados ao jogo, 20% chegaram a sites relacionados com armas e quase 20% tiveram de ler textos com vocabulário inadequado; os sites mais bloqueados pelos usuários se referiam a esses temas, tal como a drogas, cigarros ou álcool.

Cultura

Anuário AC/E de Cultura Digital 2015

Estudio_CultDig

Conta com 12 artigos que analisam a irrupção de novos modelos de negócio no setor cultural por especialistas do setor. Uma segunda parte inclui um estudo exaustivo do setor dos museus com casos de boas práticas na utilização das últimas tendências digitais.

Transformação

Trabalho flexível: o estado do trabalho remoto

Estudio_teletrab

Este relatório, que se baseia num inquérito realizado a 44 mil pessoas do mundo empresarial de 100 países, assinala que as deslocações para o trabalho requerem cada vez mais tempo e gastos para os funcionários. A introdução de algum grau de trabalho remoto nas empresas ajuda a reduzir o custo e tempo das grandes deslocações, que esgotam os funcionários e dissuadem o talento. Para além disso, atualmente, estão desenvolvidas inúmeras ferramentas que facilitam o contacto contínuo entre trabalhador e empresa.

Redes Sociais

Reputação: balanço das expressões online 2015

Estudio_expresi

A 4ª Edição do balanço elaborado conjuntamente pela Corporate Excellence e Llorente & Cuenca, que analisa de forma rigorosa as expressões emitidas na Internet de forma voluntária e o seu impacto nas dimensões que configuram a reputação corporativa. O relatório oferece um mapa dos stakeholders mais ativos na Internet e dos espaços a considerar para desenvolver uma estratégia de posicionamento na Internet: a rede de tempo real Twitter, a rede social Facebook, a rede multimídia YouTube e a rede hipertextual Google. Por sua vez, fornece informação sobre os conteúdos que maior relevância têm para as diversas audiências e permite identificar as principais áreas de risco de reputação para as empresas.

O viajante digital: as redes sociais como fonte de inspiração do setor turístico

Estudio_viajer

Este estudo, elaborado pela Deloitte e pelo Facebook, analisa as mudanças sentidas pelo setor turístico nos últimos anos, e explora a influência das redes sociais na tomada de decisões dos consumidores e se estrutura em dois eixos: por um lado, a análise das estratégias mais inovadoras e bem-sucedidas, e por outro, um guia para a utilização correta das redes sociais como impulsionadoras de um modelo de negócio.

Imprensa e Meios

Previsões de Meios de Comunicação 2015

Estudio_deloitteMedios

O relatório da Deloitte prevê que os millennials gastarão, na América do Norte, mais de 62 mil milhões de dólares em conteúdos multimídia em 2015, o que equivale a uma média de 750 dólares por pessoa nos Estados Unidos e Canadá. Este número é superior ao gasto total em publicidade na Internet e representa uma importante contribuição para os meios de comunicação. No entanto, os millennials destinam uma parte menor do seu orçamento que as pessoas de faixa etária semelhante no passado.

Os Customer Media: as chaves dos novos meios

Estudio_customer

Elaborado pela evoca media e Toyoutome blog, este relatório em formato de infográfico mostra as chaves que estão fazendo funcionar os novos meios de notícias digitais, os chamados customer media.

-

Mobilidade

Mulheres conectadas 2015: a brecha de género no acesso móvel

Estudio_women

O relatório da GSMA examina a disponibilidade de terminais móveis por parte das mulheres, assim como as barreiras à adoção e utilização das redes móveis. Se observa que as mulheres de países em desenvolvimento permanecem atrasadas neste terreno, e que se mantêm os desafios para que sejam incluídas num mundo cada vez mais conectado.

A utilização do smartphone nos Estados Unidos

Estudio_pewMov

Segundo este relatório do Pew Research Center, o conceito de “estar em linha” mudou da imagem do PC para o dispositivo móvel. Atualmente, quase dois terços dos norte-americanos têm um telefone inteligente, dos quais 19% dependem desse aparelho para estarem ligados à Internet.

Wearable tech

Estudio_wearab

Este relatório toma o pulso da chamada “tecnologia para vestir”, e conclui que os wearables estão prontos para se transformarem numa das grandes tendências em 2015. Depois do auge dos smartphones, o mercado está pronto para o próximo marco tecnológico, que será este, sem dúvida.

Comércio eletrônico

O consumidor conectado

Estudio_consumConEste relatório da Webloyalty e Conlumino assinala a mudança que se produziu no mundo do retalhoAs novas tecnologias permitiram aos consumidores comprar de diversas formas, e as lojas alteraram a forma de interagir com os seus clientes, produzindo novas oportunidades que se traduziram em benefícios

Minerva 2014: a Internet no processo de compra

Estudio_minerva

A Google nos oferece este relatório em formato de infográfico, onde se assinala que a Internet desempenha um papel cada vez mais importante nos hábitos de consumo dos espanhóis. Desde a busca de produtos ou a comparação de preços até à realização de compras finais, o seu uso se intensificou ao longo de todo o processo de compra.

Publicidade e Marketing

5º Barômetro de aberturas de email marketing em celulares 2014

Estudio_splio

A Splio realizou este estudo sobre a evolução do email marketing nos celulares. Se destaca que a percentagem de emails abertos em celulares em 2015 foi de 44,02%, um valor muito semelhante ao alcançado em 2013, com 42,71%. Esta consolidação foi levada a cabo em apenas três anos, com um aumento de mais de 30 pontos percentuais em relação ao primeiro semestre de 2011, quando alcançava 12,18%.

Reinventando os programas de fidelização na era digital

Estudio_fidelizA Capgemini investigou os programas de fidelização de 160 empresas globais de sete setores, incluindo a Banca, Retalho, Produtos de Consumo, Telecomunicações, Linhas Aéreas, Cadeias Hoteleiras e Eletrônica de Consumo. Para além disso, analisou mais de 40 mil conversas de consumidores nas redes sociais. O estudo revela que a maioria dos programas segue uma filosofia transacional básica entre compras e recompensa. Só uma pequena minoria dos programas reconhece e premeia os consumidores por participar e interagir com a marca.

A experiência do cliente na Internet das Coisas

Estudio_interCosas

Este estudo demonstra o enorme potencial da Internet das Coisas para beneficiar tanto a empresa como o consumidor. No entanto, determinar quando, como e até que ponto se devem acrescentar produtos conectados e dados gerados por sensores à experiência de cliente é um assunto pouco conhecido pelos marketers e estrategos digitais.

Segurança e Privacidade

Privacidade e segurança na vida conectada

Estudio_connectedLifeO relatório do Kaspersky Lab se centra na evolução do spam ao longo de 2014, e os dados que inclui se baseiam nos programas e aplicações do Kaspersky Lab. Entre as suas conclusões, destaca que a proporção de spam no correio eletrônico é de 66,76%, 2,84 pontos acima de 2013; que 14,5% das mensagens de spam têm menos de 1KB de tamanho e que 16,71% do spam é enviado dos Estados Unidos.

O Spam em 2014

Estudio_spamEl informe del Kaspersky Lab se centra en la evolución del spam durante 2014 y los datos que incluye se basan en los programas y aplicaciones de Kaspersky Lab. Entre sus conclusiones destaca que la proporción de spam en los correos electrónicos es del 66,76%, 2,84 puntos más que en 2013; que el 14,5% de los correos de spam tienen menos de 1KB de tamaño y que el 16,71% del spam se envía desde Estados Unidos.

Aumento de perdas, maior necessidade de preparação face aos ataques cibernéticos

Estudio_losCyberRelatório anual de segurança em 2014 da TrendLabs: se produziram perdas financeiras substanciais e danos irreparáveis na reputação por causa do roubo de quantidades prodigiosas de dados confidenciais por parte de atacantes que proliferaram em 2014. A gravidade dos ataques e os seus efeitos revelaram que o risco de nos tornarmos a próxima vítima de um ataque cibernético aumentou de forma notável. Conclusão: ” 2014, o pior dos anos.”.


Contacto: toyoutomeresearch@prisa.com

MENU